Dica: o melhor jeito de conferir os artigos mais importantes do site é acessando o ÍNDICE.

26 de janeiro de 2010

Como tudo começou

A idéia de ter um jabuti é meio inusitada, para não dizer estranha. Nisso acho que muita gente concorda comigo. Acredito que muita gente inclusive deve falar "esse Renato ficou louco!". Talvez eu realmente esteja, talvez todos tenhamos nossas loucuras de vez em quando e, para mim, isso que deixa a vida mais interessante.

Esta idéia maluca vem de uma história mais maluca ainda, além de ser uma viagem de ligação de uma coisa com a outra. Mas calma!! É muito interessante, vale a pena conferir.

Minha mulher Érica sempre se mostrou interessada em decoração, paisagismo, jardinagem, design de interiores, em ter a preocupação de promover um ambiente confortável, aconchegante e bonito dentro de casa. Por isso, no natal de 2009 eu comprei para ela um livro de Feng Shui, para que ela conhecesse mais a fundo esta corrente de pensamento chinesa.


O Feng Shui é a antiga arte chinesa de criar ambientes harmoniosos. Originou-se há cerca de 5.000 anos, nas planícies agrícolas da China Antiga. Seu desenvolvimento vem sendo desde então, aumentado e evoluído, chegando aos dias de hoje, como uma disciplina capaz de nos oferecer um sistema completo, nos ligando intimamente à natureza e ao Cósmico. Seus diagnósticos e resoluções são capazes de resolver quase todos os problemas envolvendo uma casa e as pessoas que moram nela. São adaptados ao moderno estilo de vida, nos levando a entender e compreender uma sabedoria muito profunda que nos ensina a "viver em harmonia com a natureza. Em outras palavras, o Feng Shui é uma antiga arte chinesa que visa a harmonizar os ambientes em que as pessoas vivem e trabalham, conseguindo-se assim, uma vida mais feliz e cheia de Bênçãos Cósmicas. Suas leis e princípios foram desenvolvidas através dos séculos e transmitidas oralmente de Mestre para discípulo. (REFERÊNCIA)
 

Muito interessante, não? Mas voltando a nossa história, folheando este livro de Feng Shui eu me deparei com uma figura denominada Baguá (também chamado Pa Kua) que é a representação de um conceito filosófico fundamental da antiga China, sua tradução literal significa Oito Trigramas ou Oito Mutações, o qual possui uma lenda muito interessante.


A Lenda dos Oito Trigramas

Há cerca de 3000 anos a.C., na China antiga, viveu um lendário homem chamado Fu Xi, o primeiros dos Três Soberanos, considerado um herói mitológico da cultura chinesa, ao qual é atribuído a criação de toda a base da sabedoria da China. Ele ensinou o povo chinês a escrever, a pescar com rede, a caçar com armas de ferro, ele instituiu o matrimônio, ensinou a cozinhar, a costurar, estabeleceu as bases da Medicina Tradicional Chinesa, entre muitos outros feitos.

Já Nüwa (lê-se “níua”) é apresentada de forma diferente em muitos mitos, sendo que uma abordagem mais profunda levaria muitas páginas deste pequeno texto. Contudo, os mitos costumam descrevê-la como criadora, mantenedora, mãe, deusa, esposa, irmã, líder tribal (ou mesmo imperatriz), etc.  Ainda, Nüwa é apresentada como mulher em um papel procriador depois de uma calamidade. Por fim, ela é tida como mulher de Fu Xi e deusa criadora da humanidade.    

Um dia, Fu Xi, que observava a natureza com muito cuidado e atenção, caminhava a longo do Rio Amarelo quando um jabuti veio em sua direção. Naturalmente, ele observou com muita atenção, pois ele compreendia que a sabedoria vinha da observação atenta da natureza. Fu Xi, então, percebeu uma série de símbolos no casco do jabuti e, estudando-os juntamente com o mundo a sua volta e dentro de si mesmo, chegou à compreensão dos Oito Trigramas.

Os Oito Trigramas e suas combinações refletem as verdades básicas sobre como as energias se movem, ou seja, explicam o fluxo de energia dentro do planeta e a sua bio-ritmicidade ou mutação, assim como a conexão com os elementos internos em seres humanos. Tudo que ocorre no céu e na terra tem sua imagem nos Oito Trigramas, que estão continuamente se transformando um no outro. Assim, Fu Xi é creditado como sendo a primeira pessoa a dar alguma ordem ao que era, naquela época, uma cultura não civilizada, criando a fundação tanto da tradicional visão de mundo chinesa como também para o I Ching, O Livro das Mutações.
  

O I Ching é, sem dúvida, uma das mais importantes obras da literatura mundial e provavelmente a mais antiga já divulgada. Os chineses foram pioneiros em organizar métodos para a busca do autoconhecimento, por isso a sabedoria desse povo é tida até hoje como sólida referência da cultura oriental.

Tudo o que existiu de grandioso e significativo nos três mil anos de história cultural da China ou inspirou-se nesse livro ou exerceu alguma influência na exegese do seu texto. Assim, pode-se afirmar com segurança que uma sabedoria amadurecida ao longo de séculos compõe o I Ching. Não é, pois, de estranhar que duas importantes vertentes da filosofia chinesa, o Confucionismo e o Taoísmo, tenham suas raízes comuns aqui.

Este livro pode ser compreendido e estudado tanto como um oráculo quanto como um livro de sabedoria. Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado por religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida taoista.

O I Ching, portanto, é a base do pensamento chinês de mutação, em que não há o que mude, há apenas o mudar. A mutação seria o caráter mesmo do mundo. Mas a mutação é, em si mesma, invariável, ela sempre existe.

"Abençoar significa ajudar. O céu ajuda ao homem de devoção; os homens ajudam a quem é sincero. Aquele que caminha na verdade e pensa com devoção, reverenciando ainda aos homens dignos, é abençoado pelo céu. Ele encontra a boa fortuna e tudo lhe é favorável" (comentário de Confúcio no hexagrama Ta Yu / Grandes Posses).


A Vontade de ter um Jabuti

Assim, uma coisa puxou a outra, do Feng Shui eu conheci o Baguá e deste a lenda dos Oito Trigramas. Esta lenda apresenta algumas variações, mas a que eu mais gosto é a de que um jabuti chegou aos pés de Fu Xi com as tais marcas no casco que deram origem aos Oito Trigramas. A partir daí eu, intrigado por esta lenda, fiquei interessado em saber mais sobre jabutis.

Desde criança eu sempre tive um interesse enorme em tartarugas, cágados e jabutis, tanto que tive várias tartarugas de aquário, aquelas bem verdes conhecidas como tigre d'água, que muita gente deve ter tido também ou ainda tem. Repare que tartaruga e jabuti não são a mesma coisa. Além de critérios anatômicos, eles diferem entre si pelo habitat. Tartarugas vivem exclusivamente na água doce ou salgada, cágados vivem em água-doce e são semi-aquáticos, já os jabutis são exclusivamente terrestres.

 

Uma coisa que me deixa muito triste e que quando criança eu não sabia é que a maioria dessas tartarugas vendidas naquela época eram ilegais, ou seja, não autorizadas pelo IBAMA. Isto quando elas não eram contrabandeadas, sendo de uma outra espécie bem parecida trazida do sul dos Estados Unidos.

Graças a Deus, eu, em minha infância, nunca achei alguém que vendesse um jabuti, pois provavelmente o compraria e ele seria ilegal, muitas vezes um filhote tirado da natureza pelos traficantes de animais. Hoje, com mais maturidade, já tenho responsabilidade de sobra para cuidar deste animal e fiz questão de, além de ler muito sobre o assunto antes de comprar um, o adquirir legalmente, com registro do IBAMA. 

O Brasil é um país fantástico, com muita diversidade de fauna e flora, mas é um país, infelizmente, de grande desigualdade social. Enquanto poucos empresários ficam mais ricos a cada dia, a população rural é obrigada, muitas vezes, a traficar animais silvestres para poder sustentar sua família e ter uma qualidade de vida melhor. O pior disso tudo é que, apesar de atualmente a fiscalização ser maior, os tráficos acontecem ainda em grande volume.

Itaúna, a peste encarnada em Jabuti

Assim, pesquisando e pesquisando, eu me interessei demais por esse réptil e, realizando um sonho de infância, eu resolvi adquirir um. O nome dos meus animais, como você já deve ter presumido, veio da lenda dos Oito Trigramas, sendo que Fuxico foi um apelido mais carinhoso de Fu Xi. A Nüwa ficou sem apelido, pois até hoje não consegui achar nada que se pareça com esse nome...

Completando a família, ganhei de presente mais um par de jabutis, em forma de agradecimento pelo trabalho que venho desenvolvendo com jabutis. Os nomes dos novos membros são: Itaúna, que em tupi-guarani significa pedra escura, e Tainá, que significa estrela.

Encontrar informações sobre como cuidar desses animais em cativeiro não é fácil, pois infelizmente conto a vocês que nós brasileiros não temos um livro ou site sequer dedicado aos cuidados dos jabutis, especialmente a espécie piranga. Dentro deste contexto, fui obrigado a buscar informações em sites e livros estrangeiros, principalmente dos Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha, que eram em sua maioria escritos em inglês.

Sendo assim, pensando na dificuldade que foi obter o conhecimento necessário para que eu cuidasse bem dos meus jabutis, resolvi criar este site para ajudá-lo também a oferecer uma boa vida a seu querido amigo cascudo.

Seja bem vindo e boa leitura!

6 comentários:

  1. A historia destes jabutis é mesmo inusitada né Re? Mas esta e muitas outras histórias destes jabutizinhos lindos nós vamos contar para os nossos filhos e netos, já que provavelmente os bichinhos estarão vivos até lá né? hehe Amo muito você e eles.
    Um beijo, Érica.

    ResponderExcluir
  2. Rê, eu não li tudo não rsrs mas parabéns pela iniciativa!! Espero que vendo isto as pessoas se inspirem :) parabéns mesmo, o mundo precisa de mais pessoas que nem vc!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, gostaria muito que me tirasse uma duvida, ontem finalmente nasceram dois filhotinhos de jabuti em casa.Um está bem espertinho, o outro esta tendo dificuldades em abrir os olhinhos, só vi um aberto ontem, e hoje estão os dois fechados.Você acha que há algo errado?

    ResponderExcluir
  4. Olá me tire uma duvida, qdo. Nascem alguns Jabotis tem dificuldades em abrirem os olhos? Pois um de meus recem nascidos só vi com um dos olhinhos abertos, e hoje ainda não abriu nenhum.Será que há algo errado com ele?

    ResponderExcluir