Dica: o melhor jeito de conferir os artigos mais importantes do site é acessando o ÍNDICE.

30 de janeiro de 2010

Comprando um jabuti



EM CONSTRUÇÃO

Se você decidiu que o jabuti é o animal de estimação certo para você, o próximo passo é saber como e onde adquirir um.

Existem basicamente três formas de se adquirir um jabuti. A primeira é comprar o animal em criadouros ou lojas de revenda, sendo ambos autorizados pelo IBAMA. A segunda é por meio do tráfico de animais. Por último, a terceira, é você adquirir por meio de doações. Neste artigo descreverei cada uma dessas formas com o intuito de orientá-lo sobre a forma correta de adquirir um jabuti, para que você não se arrependa depois e nem caia em armadilhas.


Nesses locais você comprará um jabuti legalizado nos conformes das leis brasileira. Esta é a maneira correta de se adquirir um jabuti, pois os animais vendidos nestes locais são provenientes da criação em cativeiro, ou seja, não são animais retirados da natureza.


 A segunda forma é adquirir por meio de do tráfico de animais. Contudo esta é uma prática errada, que vai contra a preservação da fauna brasileira, que infringe a lei e totalmente


- fotos jabuti do trafico
- o que é o IBAMA
Órgão governamental que cuida de todas as questões ligadas ao meio ambiente e aos recursos naturais do país.

 ligado ao Ministério do Meio Ambiente

 stituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.


Como combater o tráfico de animais?

Infelizmente o tráfico de animais silvestres no Brasil é uma realidade tão presente que até na 25 de Março em São Paulo os jabutis são vendidos por 30 reais. "Cada um custa R$ 30", conta o vendedor. "Se você for levar logo dois, faço por R$ 55."(REFERÊNCIA).

Quer coisa mais triste que isso? Na maioria das vezes esses animais são tirados da natureza para serem vendidos e ficam em condições precárias até passarem para as mãos do comprador.

Portanto, quando decidi comprar o meu animal, eu fiz questão de que fosse um jabuti legalizado pelo IBAMA e espero sinceramente que você também tenha esta mesma decisão. Mesmo que você decida comprar o máximo de jabutis ilegais que seu bolso conseguir pagar, porque você ficou com dó de vê-los em péssimas condições de cuidados, na esperança de tirá-los dali e oferecer cuidados adequados, saiba que isso será uma péssima coisa a se fazer. Veja bem, os traficantes são pessoas espertas e muitas vezes eles deixam os animais em péssimas condições de propósito, justamente para que as pessoas fiquem com dó e comprem o máximo de animais que estão a venda. Sendo assim, em vez de comprar os animais ilegais, dar dinheiro e incentivo ao traficante para que ele continue a vender, faça precisamente o contrário. Quebre este ciclo! Não compre e denuncie imediatamente. A melhor maneira de fazer isso é ligar para a polícia ambiental e depois mobilizar um policial militar próximo dizendo a ele que a policia ambiental já está a caminho, pois deste modo o traficante tem menos chance de escapar.

É simples descobrir para onde ligar caso encontre algum traficante de animais. Para isso, acesse o site http://www.renctas.org.br, clique em "Denunciar o Tráfico" e selecione seu Estado para encontrar o telefone do posto da polícia ambiental mais próxima da sua cidade. Se você não tiver como acessar a internet naquele momento, ligue para o IBAMA - Linha Verde: 0800-61-8080. Outra opção é ligar para o número do serviço pago de auxílio a lista telefônica (102 - custo de R$1,20) e pedir o telefone da polícia ambiental mais próxima. Uma boa dica é já deixar salvo esses números na lista de contatos do seu celular, pois assim você terá esses números prontamente.

Se mesmo assim você não conseguir descobrir o número da polícia ambiental, ligue para a polícia militar (190) e denuncie. Explique ao policial que o individuo está cometendo um crime federal amparado na Lei de crimes ambientais N° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Especificamente o - Art. 29: Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida: Pena - detenção de seis meses a um ano, e multa. Caso o animal esteja sendo maltratado ou esteja ferido, o traficante pode ainda ser enquadrado no Art. 32: Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Se por acaso o policial se recusar a registrar a denúncia ou efetuar a prisão, cite o artigo 319 do Código Penal, que prevê crime de prevaricação: receber notícia de crime e se recusar a cumprir (REFERÊNCIA).

Para os que ainda não se convenceram que comprar um animal ilegal é uma péssima idéia, talvez as imagens abaixo sirvam de incentivo para você nunca comprar e nunca ser passivo com o tráfico e animais.

 



Segundo estimativas, para cada 10 animais capturados, apenas um sobrevive (REFERÊNCIA)



Depois de tudo isso, espero que você tenha se decidido a comprar um animal legalizado.

Para denúncias e mais informações a respeito de tráfico de animais silvestres acesse http://www.renctas.org.br/pt/informese/denuncie.asp e http://www.renctas.org.br/pt/informese/duvidas.asp.


Comprei um jabuti ilegal, e agora? Consigo legalizá-lo?

Se você comprou um jabuti ilegal, só lamento! Além do você ter incentivado o tráfico de animais, não é possível de maneira alguma legalizar seu animal. Já era, perdeu, nunca mais!

Mas, Renato, e agora, o que eu faço? Bom, você tem duas opções:

A primeira e a mais correta é você realizar a Entrega Voluntária do animal na unidade do IBAMA mais próxima da sua casa. Não tenha medo de fazer isso, pois você não será multado e não haverá quaisquer repreensões legais, pois o de­cre­to nº 3.179/99 isenta o ci­da­dão da multa, quan­do ele es­pon­ta­nea­men­te pro­cu­ra o órgão am­bien­tal para en­tre­gar o ani­mal que es­ta­va em seu poder, com o re­co­nhe­ci­men­to da sua culpa e o in­tui­to de cor­ri­gir o seu erro.

Para fazer a Entrega Voluntária é muito fácil, é só entrar em contato com a unidade do IBAMA mais próxima de sua casa e realizar a entrega do animal. Ache AQUI a unidade do IBAMA mais próxima de sua casa.

A segunda opção é você ficar com o animal e sempre correr o risco de poder responder legalmente pela posse de um animal silvestre ilegal. A posse de animais silvestres ilegais é crime previsto pela Lei federal 9.605/98 (Lei dos Crimes Ambientais). A pena é, de início, detenção de seis meses a um ano, e multa, podendo ter agravantes.

Ah, Renato, mas não é melhor eu soltar o animal na floresta aqui perto de casa, já que ele vai estar na natureza? Por favor, não faça isso! Soltar não é a melhor opção, pois dependendo do tempo de cativeiro você estará condenando o animal a morte. A melhor opção, se você não quer mesmo ficar com seu animal, é entregá-lo à unidade do IBAMA mais próxima de sua casa e, reafirmo, neste caso, é interpretado como Entrega Voluntária, não havendo multa, nem repreensões legais. Não hesite em entregar, pois o IBAMA tem vários projetos de reabilitação e reintrodução de animais na natureza.


Como comprar um jabuti legalizado?

Há praticamente duas formas de se obter um jabuti legalmente. Comprando de um revendedor ou de um criadouro comercial, ambos sendo autorizados pelo IBAMA.

Pesquisando preços, eu resolvi que, para mim, melhor seria comprar de um criadouro. Nada contra os revendedores, pois eles têm bastante trabalho para oferecer animais legalizados para você. Eles ligam nos criadouros, fazem a encomenda, vão até o aeroporto buscar os animais assim que estes chegam à cidade, cuidam, alimentam, remediam e fazem mais um "check up" final do animal com o veterinário especializado em animais silvestres antes de ele ser revendido.

Portanto, pesquise e sinta-se a vontade de ir atrás do que é mais adequado e melhor para você, pois adquirir animais silvestres pelos criadouros pode ser um pouco mais complexo e demorado para quem não tem paciência e força de vontade.

Falando nisso, existem somente dois criadouros comerciais de jabutis autorizados pelo IBAMA, onde você poderá fazer sua compra. Inclusive, há um problema para quem vive mais ao sul do Brasil, como eu, pois ambos os criadouros ficam na Bahia. Veja AQUI a lista das lojas e criadouros comerciais de animais silvestres autorizados pelo IBAMA e AQUI a Portaria nº 118/97 que os regulamenta.
(obs: ainda estou aguardando esta lista, pois o IBAMA não a disponibiliza em seu site. Isto é um erro gravíssimo e já estou cobrando isso deles. Se você quiser, cobre também, ok?)

No meu caso, eu escolhi comprar do Criadouro Santa Rita. Para isso, mandei um e-mail pedindo um jabuti macho e perguntando como era o procedimento de entrega do jabuti aqui em Curitiba/PR.

Depois de algum tempo negociando, o dono do criadouro insistiu para que eu comprasse um casal e me deu um desconto na compra, pois com o mesmo custo de envio é possível enviar mais de um jabuti.

Infelizmente, eu então resolvi que compraria sim um casal. Espera aí! Infelizmente, Renato?! Como assim?! É muito simples, veja bem, o jabuti não é um animal comum, que você já conhece e domina sobre seu comportamento e cuidados. Não é um animal que todo mundo tem e que você já possa estar familiarizado. Ainda não entendi, Renato... Muito bem, vamos usar como exemplo o cachorro, o melhor amigo do homem. Todo mundo já tem uma certa noção sobre os comportamentos e cuidados de que um cachorro precisa, mas dizer o mesmo em relação ao jabuti é mais complicado. Sendo assim, adquirir um casal logo de início foi uma péssima idéia, pois como eu saberia se eu iria gostar de ter esses animais? Não teria como, é só tendo um para saber dessas coisas. Por isso que eu reafirmo, leve em consideração que se você nunca teve um jabuti antes, o melhor é começar com apenas um animal e, geralmente, você não terá necessidade de comprar mais um.

Você pode ainda estar se perguntando: mas, Renato, tadinho dele, vai ficar tão sozinho, não seria bom um casal, pois assim eles fariam companhia um para o outro? Não é bem assim. Está vendo como você não conhece muito sobre jabutis? O jabuti é um animal totalmente diferente dos animais que estamos acostumados a ter. Se você deixar um cachorro sozinho a maior parte do tempo, ele possivelmente entrará em depressão, emagrecerá e pode morrer. O mesmo não acontece com o jabuti. Ele pode sim viver muito bem sem um companheiro. Não tem problema nenhum nisso.

A minha grande sorte é que eu adorei ter jabutis. No meu caso, repito, no meu caso, o jabuti é o animal ideal, pois como sou médico, não tenho muito tempo para ficar dando atenção a toda hora. Se eu tivesse um cachorro, possivelmente ele entraria em depressão. Como eu adoro animais e o jabuti não precisa de carinho e atenção a toda hora, para mim deu muito certo.

Voltando... O dono do criadouro me falou também que para mandar para Curitiba a forma de envio seria por avião, pelo transporte de cargas da TAM e eu teria que ir ao aeroporto no setor de cargas da TAM realizar a retirada dos animais. Para mim isso não teve problema algum, mas, para você que mora em uma cidade menor ou mais distante, talvez você terá que se deslocar para o aeroporto mais próximo que receba este tipo de encomenda. Em todo caso, se você quiser comprar de um criadouro, vale a pena entrar em contato com ele e perguntar como que é detalhadamente o procedimento de entrega para a sua cidade.


Para a compra, a forma de pagamento foi depósito bancário. Após o depósito eu escaneei o comprovante de depósito e o mandei por e-mail para o responsável pela venda. Ele, assim que viu o e-mail, me confirmou o recebimento e começou a providenciar o envio, me mandando informações a respeito da entrega, as quais são necessárias para a retirada no animal no aeroporto.

Em mais ou menos duas semanas, Fuxico e Nüwa já desfrutavam de meu aconchegante lar aqui em Curitiba.

Se não bastasse já ter um casal, o Sr. Aroldo, dono do Criadouro Santa Rita, uns 06 meses depois da compra, me enviou mais um par de jabutis em forma de agradecimento pelo trabalho de que venho desenvolvendo aqui no Vida de Jabuti. Meus novos amigos se chamam Itaúna e Tainá.

Em relação aos documentos, preste muita atenção, pois juntamente com os animais, você deverá receber alguns papéis (se quiser saber mais, leia a Portaria nº 117/97 do IBAMA): 

1 - A nota fiscal de compra expedida pelo comerciante ou criadouro com o número de registro junto ao IBAMA, número de emissão, valor, quantidade, determinação da espécie (nome vulgar e científico) e identificação individual do espécime comercializado (número do microchip implantado na pata esquerda do animal que é imprescindível para você ter um animal legalizado. É fornecido pelo IBAMA somente para pessoal autorizado).

A nota fiscal é como se fosse a certidão de nascimento e o RG do animal, tudo no mesmo documento.

2 - Outro papel é a GTA (Guia de Trânsito Animal), que é o documento que autoriza o transporte do animal de um lugar ao outro em um determinado dia ou período, dependendo da distância. Este papel é emitido pelo Ministério da Agricultura ou por veterinários certificados. Só é necessário quando for feito o transporte interestadual, ou seja, dentro do mesmo Estado não precisa deste documento.

Caso você queira um dia levar seu jabuti para alguma outra cidade fora do seu Estado, você precisará da emissão de um novo documento deste, tanto para a ida, quando para a volta (se você for voltar).

Portanto, quando você for levar seu animal outro lugar, você deve retirar uma GTA para a ida e pesquisar antes onde fica o ministério da agricultura ou onde tem um veterinário autorizado nesta cidade para você pegar uma GTA de volta. Lembrando que você terá que levar consigo a nota fiscal de compra do animal, pois, de outra forma, como você irá comprovar que você comprou um animal legalizado e ele é seu?

Todo este processo de tirar uma GTA pode parecer complicado e caro, mas não é! Por isso, não tenha preguiça e vá atrás disso antes de você viajar com seu animal, pois assim você evitará dor de cabeça se você for parado em um posto fiscalizador durante a viagem.


3 - Por ultimo, você deverá receber também o atestado veterinário do animal, falando que o seu animal foi examinado e está saudável. Entre os exames, o de fezes é realizado.

Resumindo, esta é a tríade básica: nota fiscal, GTA e atestado veterinário.

Só para vocês terem uma idéia, o custo de tudo isso para o criadouro é mais ou menos: microchip R$50, GTA R$05, atestado veterinário R$70, envio para Curitiba R$82, embalagem para envio R$20, ou seja, R$227, fora os custos de criação, que no meu caso foram de 04 anos, pois eu quis animais com 12 cm. Por isso é tão caro comprar um jabuti legalizado. 

Mas certas coisas na vida valem à pena, pois, se você parar para pensar, sai muito mais barato você comprar um animal legalizado por R$280 do que um ilegal por R$30, incentivar o tráfico de animais e correr o risco de ser preso. Lembrando que enquanto você tiver o animal você corre risco de ser penalizado. Não é brincadeira!!

Leve em consideração ainda que este animal vive em média 80 anos. Pense bem: R$280 por 80 anos sai R$3,5 por ano!! Por isso volto a dizer, a coisa certa é comprar um animal legalizado.

Até a próxima!

29 de janeiro de 2010

O Jabuti é o animal de estimação certo para você?

Responder a esta pergunta é muito fácil. Mas não se precipite! Há muita coisa ainda a se considerar.

Adquirir um animal de estimação é algo sério, que pode trazer muitas consequências positivas e negativas para a sua vida. Por isso, antes de tomar essa decisão, é importante saber sobre o que significa ter um animal de estimação e o que isso pode trazer para sua vida e para a vida no animal em questão. Igualmente importante, é necessário conhecer o máximo possível sobre o animal que você deseja ter como de estimação, para que você atenda as suas expectativas e não se decepcione com sua decisão. Por tudo isso, é imprescindível que você leia os dois artigos anteriores a este (Ter um Animal de Estimação ; Conhecendo o Jabuti), pois a leitura deles será fundamental para você saber se o jabuti é o animal certo para você.

Tendo em vista que você já leu tais artigos, vamos prosseguir.

Lembre-se que ter um animal de estimação é um compromisso de cuidar de outro ser vivo. Ter um animal de estimação não é só deixá-lo em qualquer canto, de qualquer jeito, com qualquer comida e cuidados.Você, dono, será o responsável pelo bem estar e qualidade de vida do animal. Você está disposto a assumir esta RESPONSABILIDADE?

Além disso, o jabuti é um animal que pode chegar aos 80 anos de idade. Às vezes até mais. Repare que existe uma grande chance de que ele irá viver mais do que o próprio dono e ficará de herança para os filhos. Isso pode ser um grande problema, pois o jabuti é um ser vivo e não um objeto qualquer que você simplesmente descarta quando bem entender, quando enjoar, etc. Você está preparado para um COMPROMISSO para toda a sua vida?

Lembre-se também que o jabuti é um animal diferente dos demais animais de estimação comumente encontrado nos lares brasileiros. Ele é um animal que tem diversas peculiaridades. Você terá que aprender muito sobre ele para que você consiga cuidar dele de forma adequada. Você está preparado para ESTUDAR muito a respeito desse animal? 

Se você já começou a estudar um pouco sobre o jabuti, já deve ter percebido que um característica dele é interagir pouco com o dono. O jabuti é um animal totalmente diferente do cachorro ou gato, por exemplo. Ele não gosta de muito contato, geralmente odeia carinho e não suporta que o fiquem pegando no colo. Preste bem atenção! O jabuti é um animal para ser olhado ou contemplado. Você quer um animal para ficar só OLHANDO?

Ter qualquer animal de estimação implica em ter gastos com ele. Ter um jabuti então, um animal incomum e diferente, nem se fala! Os jabutis, para terem uma boa qualidade de vida, necessitam de um monte de cuidados peculiares que podem ser muito caros. Você gastará com coisas como, por exemplo, o preparo de um ambiente adequado, comida apropriada, produtos especiais para répteis, aumento no custo da conta de energia elétrica e, o mais importante, consultas ao veterinário. Os produtos especiais para répteis são muito caros no Brasil, pois são importados. Se isso não bastasse, eles não são encontrados na maioria dos pet shops. Não é fácil achar uma lâmpada de aquecimento de répteis para comprar, por exemplo. Muitas vezes esses produtos terão que ser encomendados em outra cidade ou diretamente do exterior. Outro problema é achar um veterinário especializado em animais silvestres. E mesmo se você tiver a sorte de achar um, pode apostar que o preço da consulta será caro. Agora, preste muita atenção! Você não terá como fugir de levar seu jabuti ao veterinário. Não mesmo! Como dito acima, o jabuti pode viver por 80 anos ou mais, você realmente acha que seu jabuti nunca ficará doente? Ainda, se na sua região não há tal veterinário, você será obrigado a custear, além da consulta, uma viagem para um local onde tenha esse profissional. Por isso, pergunto: você tem condições financeiras de assumir GASTOS, pelo resto da sua vida, com um animal de estimação? Você QUER assumi-los?

Ainda falando em doenças, o jabuti não é o único que pode ficar doente. Ter um animal silvestre dentro de casa pode ser um risco para o dono e para seus familiares. Como o jabuti é um animal raro nos lares brasileiros, ele não é tão estudado pelos veterinários e biólogos como é o cachorro ou gato, por exemplo. Isso significa que não se conhece todas as doenças que ele pode eventualmente transmitir para nós, humanos. Contudo, sabe-se que o jabuti pode ser reservatório de uma bactéria chamada Salmonella spp, que é eliminada pelas fezes do animal infectado. Se não há higiene adequada por parte do dono, essa bactéria pode ser ingerida, desencadeando nele uma doença chamada Salmonelose. Esta doença cursa com dor de cabeça, febre, náuseas, vômitos, cólicas e diarreia, podendo ou não apresentar sinais de sangue nas fezes. Esses sintomas costumam aparecer em 6 a 72 horas após a infecção. Em alguns casos, essa doença pode evoluir para septicemia, isto é, as bactérias escapam do intestino, se espalham pela corrente sanguínea e afetam outros órgãos, podendo ser fatal. Crianças, idosos, pessoas imunodeprimidas ou portadoras de anemia falciforme correm risco maior de desenvolver complicações, como a septicemia. Ainda, estudos científicos têm demonstrado que as salmonelas provenientes dos jabutis são resistentes ao tratamento convencional, o que significa em maior gravidade da doença. Você quer assumir o risco de pegar DOENÇAS?

Resumindo, o jabuti NÃO é um animal indicado para crianças e adolescentes. Cuidar de um jabuti envolve muita responsabilidade, compromisso, estudo e persistência. Nessa faixa etária não há maturidade o suficiente para assumir uma tarefa tão complexa. Além disso, o jabuti é um animal para ser contemplado. Crianças e adolescentes não têm paciência para ficar só olhando e cuidando de animais. Eles querem brincar, passar a mão, carregar no colo, etc. Como já dito, o jabuti não gosta de nenhuma dessas cosias. Se você quer dar um bom animal de estimação para seu filho, prefira adquirir um cachorro ou gato, pois eles interagem muito mais com o dono e atenderão melhor sua expectativa. O jabuti também não é um animal indicado para pessoas que enjoam fácil das coisas. O jabuti é um animal, um ser vivo, que tem necessidades, sente dor e prazer, assim como nós. Não é um objeto descartável que pode ser jogado fora quando for conveniente. Lembre-se o jabuti pode viver por 80 anos ou mais. Por tudo isso, reforço: o jabuti é um animal para adultos responsáveis, dedicados e insistentes, para adultos realmente entusiastas da fauna.

Como você pôde ver, o jabuti não é um animal de estimação para qualquer um.

Agora pare, pense bem e responda: o jabuti é realmente o animal certo para você?

Até a próxima!

28 de janeiro de 2010

Conhecendo o Jabuti

Como já falei num artigo anterior, cada espécie de animal possui características únicas que requerem cuidados únicos. Todo mundo já tem uma certa idéia de como cuidar de cachorro ou de gato, que são mamíferos, mas o jabuti é um animal bastante peculiar. Para começar, ele é um réptil e os cuidados e comportamento dele são bastante diferentes. Não dá para cuidar de um jabuti como se cuida de um cachorro e vice-versa. Por isso, o primeiro passo para você ser um bom dono de jabuti é conhecer pelo menos o mínimo necessário sobre esse animal, para que você consiga promover o bem-estar dele e identificar algumas possíveis situações de mal-estar. Coisas como, por exemplo, a alimentação adequada, as características de um bom ambiente para o animal viver, os comportamentos típicos, entre muitos outros itens.

Apesar de muita gente já ter ouvido falar em jabuti, muitas pessoas nunca tiveram informações completas a respeito deste réptil. Sendo assim, mais do que convém conhecer a fundo nosso amigo cascudo. Vamos lá?

O jabuti é a designação vulgar dos répteis do gênero Chelonoidis da ordem dos Quelônios, da família dos testudinídeos. É bom salientar que o jabuti não é tartaruga

A tartaruga é uma espécie de réptil que vive somente na água marinha ou doce. Ela possui casco achatado e suas patas terminam afinadas, como se fossem nadadeiras. Existem, também, as espécies semi-aquáticas, chamadas cágados.

(cágado)

Já o jabuti é uma espécie exclusivamente terrestre de réptil. Possui casco convexo, bem arqueado, e pernas grossas, que parecem réplicas miniaturizadas das pernas dos elefantes. A carapaça é uma estrutura óssea formada pelas vértebras do tórax e pelas costelas. Funciona como uma caixa protetora na qual o animal se recolhe quando perturbado.

(jabuti) 

Existem mais de 40 espécies de jabutis ao redor do mundo, como pode ser visto neste site com fotos. Contudo, aqui no Brasil temos somente duas espécies:

* jabuti-piranga (Chelonoidis carbonaria) pode ser encontrado no Nordeste, Centro-oeste, Sudeste e Sul do Brasil, em regiões de cerrado, bordas de mata e florestas baixas; 

* jabuti-tinga (Chelonoidis denticulata) é menos comum, pois só existe na região amazônica (florestas densas).


Jabuti Piranga















FILO: Chordata
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Chelonia
SUBORDEM: Cryptodira
FAMÍLIA: Testudinidae
GÊNEROChelonoidis
NOME CIENTÍFICOChelonoidis carbonaria
NOME EM INGLÊS: Red-footed Tortoise
NOME COMUM: Jabuti-piranga
HABITATNordeste, Centro-oeste, Sudeste e Sul do Brasil, em regiões de cerrado, bordas de mata e florestas baixas
CARACTERÍSTICAS:
       Tamanho: os machos são maiores que as fêmeas, tem média 30 cm e as fêmeas 28 cm. Podem chegar aos 40-50 cm de comprimento
       Peso: 6 a 12 kg, mas chegam facilmente aos 18 kg
       Época de reprodução: primavera/verão
       Maturidade Sexual: entre 5 e 7 anos
       Nº de ovos: de 1 a 6, mas alguns autores mencionam posturas de 15 a 20 ovos
       Incubação: de seis a nove meses
       Tempo de Vida: em torno de 80 anos

O jabuti piranga ou Chelonoidis carbonaria é um quelônio terrestre que possui escamas avermelhadas na cabeça e nas patas, as quais deram origem ao seu nome piranga (vermelho em tupi-guarani) e em inglês Red-footed Tortoise (jabuti de pé vermelho). Tem a carapaça relativamente alongada. Medem em média 30 cm de comprimento e pesam de 6 a 12 Kg. Sua maturidade sexual ocorre entre cinco e sete anos, ou seja, a partir desta idade eles já podem se reproduzirEsta espécie é muito parecida com o jabuti tinga (Chelonoidis denticulata), o qual possuí coloração amarelada das escamas das patas e da cabeça, nariz preto, coloração mais clara e maior porte.

(jabuti piranga) 


Jabuti Tinga















FILO: Chordata
CLASSE: Reptilia
ORDEM: Chelonia
SUBORDEM: Cryptodira
FAMILÍA: Testudinidae
GÊNEROChelonoidis
NOME CIENTÍFICOChelonoidis denticulata
NOME EM INGLÊS: Yellow-Footed Tortoise
NOME COMUM: Jabuti-tinga
HABITAT: região norte do Brasil (amazônica), em áreas de florestas densas
CARACTERÍSITCAS:
   Tamanho: os machos são menores que as fêmeas, geralmente possuem cerca de 40 cm de comprimento. As fêmeas podem chegar a 70 cm
      Peso: 40 a 60 kg
      Maturidade Sexual: entre 5 e 7 anos
      Época de reprodução: primavera/verão
      Nº de ovos: geralmente 15 a 20 ovos 
      Incubação: de seis a nove meses 
      Tempo de Vida: em torno de 100 anos

O jabuti tinga possui coloração em tons de amarelo. É de porte maior que o jabuti-piranga, podendo atingir até 80 cm. Diferentemente o jabuti-piranga, o jabuti-tinga habita originalmente a região amazônica. Sua maturidade sexual acontece por volta dos seis anos

(jabuti tinga)


Características peculiares

O objetivo aqui neste artigo não é descrever tudo sobre os cuidados do jabuti e sim traçar um panorama geral sobre este animal, principalmente na parte comportamental. Mas não se preocupe, porque eu irei explicar tudo minuciosamente sobre os cuidados dos jabutis nos próximos artigos.


Comportamento

O jabuti é um animal pré-histórico, rústico e resistente. É lento em tudo o que faz. Andar, comer ou cavar um bom buraco para se enfiar pode levar um bom tempo.

Apesar de ser um animal muito dócil, ele não gosta muito de receber carinho e nem de ser pegado no colo. Uma coisa que o jabuti gosta bastante é de levar uma vida pacata, bem calma, de ficar quieto, escondido em um cantinho, sem que seja incomodado. Por esse motivo, o jabuti é mais um animal de ser contemplado. Não dá para fazer com o jabuti o que a gente faz com o cachorro, ou seja, ficar fazendo carinho a toda hora, pegar no colo, etc. A interação entre dono e animal é muito mais limitada se comparada com os cães e gatos. Apesar disso, assim como outros animais, cada jabuti tem uma personalidade. Alguns gostam bastante de companhia, ficando perto do dono e o seguindo para todo lugar. Já outros não gostam e evitam praticamente qualquer tipo de contato. Jabutis podem até ser agressivos e querer morder o dono. Contudo são animais muito inteligentes e sociáveis dentro de seus limites de répteis.

É um animal muito curioso. Parece ser um animal investigativo, que confere tudo o que há no terreno onde habita. Se você mudar alguma coisa no terreno e logo irá perceber a mudança e ficar passeando perto deste local, tentando entender o que aconteceu ali. Mas cuidado! Mudanças demais podem estressar o animal. Um sinal claro de estresse é uma agitação fora no normal.


Idade e Crescimento

O metabolismo do jabuti é influenciado diretamente pela temperatura do ambiente. O jabuti, como todo réptil, é um animal pecilotérmico, ou seja, não tem sangue quente. Isso significa que a temperatura corporal do animal acompanha a temperatura do ambiente em que ele está. Se o ambiente estiver quente, seu metabolismo ficará mais rápido. Como consequência, ele irá comer mais, crescerá mais rápido e ficará mais ativo. Mas, se pelo contrário, o ambiente estiver mais frio, seu metabolismo ficará mais lento, ele comerá menos, crescerá mais devagar e ficará menos ativo. Vou dar um exemplo para você entender isso melhor. Imagine dois jabutis, um que vive no nordeste do Brasil, onde a temperatura média anual é bem quente, e outro mais ao sul do nosso país, onde a temperatura média anual é mais fria. Qual deles irá crescer mais rápido em um mesmo ano? O jabuti do nordeste, não é? Exatamente! Como a temperatura média anual do nordeste é quente, este jabuti terá um metabolismo mais acelerado e crescerá mais.

Agora preste muita atenção em uma coisa. O envelhecimento do jabuti é diretamente relacionado com a temperatura média de onde ele vive. É um pouco difícil entender isso, porque para nós humanos o envelhecimento e, consequentemente, a idade seguem uma mesma constante cronológica, pois temos a mesma temperatura corporal não importando a temperatura do ambiente em que vivemos. Ou seja, temos o mesmo metabolismo sempre. Já para os jabutis, o envelhecimento pode variar de ambiente para ambiente, tudo dependendo da temperatura média anual do local. Voltamos, então, ao exemplo dado logo acima dos dois jabutis. Imagine que o jabuti do nordeste e o do sul do Brasil nasceram no mesmo dia. O jabuti do nordeste, como tem um metabolismo mais rápido por viver em um ambiente mais quente, no final de um ano terá envelhecido mais que o jabuti do sul do Brasil, o qual tem um metabolismo mais lento por viver em um ambiente mais frio. Por isso, saber a real idade de um jabuti é um grande problema, mesmo se você tiver a data de nascimento dele.

A minha sugestão para a gente não ficar enlouquecendo com essa história toda é a gente considerar a idade do jabuti como sendo somente cronológica. Assim fica menos impossível estimar a idade do animal.

Falando nisso, existem praticamente dois métodos de estimar a idade do animal caso você não saiba a data de nascimento dele. O primeiro método é tentar fazer uma relação entre o comprimento do casco e a idade do animal. O autor Mike Pingleton em seu livro The Redfoot Manual: A Beginner's Guide To The Redfoot Tortoise desenvolveu o seguinte gráfico para animais que vivem em cativeiro:

(em construção)

Contudo, como você pode notar, quando o jabuti é jovem e cresce ativamente, fica mais fidedigno estimar a idade dele, mas quando ele atinge certo tamanho, a estimativa da idade dele fica prejudicada.

Já o segundo método consiste em contar os anéis de crescimento do casco, chamados "annuli".

(a seta vermelha aponta para um dos anéis de crescimento)

Estes anéis indicam períodos variação no crescimento, os quais na natureza costumam ser sazonais e se relacionam com o verão e com o inverno. Os anéis são formados no período mais quente, quando o animal cresce mais, e os intervalos entre os anéis são formados no período mais frio, quando ele cresce pouco. Nos primeiros anos de vida do jabuti, enquanto ele ainda cresce ativamente, a contagem dos anéis equivale aproximadamente aos anos de vida. Porém, conforme o jabuti vai envelhecendo e parando de crescer, esta contagem deixa de ser tão fidedigna. Nos jabutis mais velhos, inclusive, os anéis são pouco distinguíveis e esta contagem perde sua relação.

Infelizmente ambos os métodos de estimar a idade dos jabutis são muito pouco precisos. A taxa de crescimento e a formação dos anéis estão diretamente relacionados com a temperatura média anual do local em que o jabuti vive, com o grau de variação da temperatura anual deste local (verão/inverno), com abundância e falta de alimentos, bem como com períodos de chuvas e secas. Por todos esses motivos, ambos os métodos são falhos em estimar corretamente idade do animal. É fácil entender. Jabutis de regiões quentes crescem mais do que os de regiões mais frias para um mesmo intervalo de tempo. Jabutis que vivem em regiões onde o inverno é mais intenso costumam apresentar anéis melhor demarcados. Se o local onde o jabuti vive tiver uma seca e a comida for escassa naquele ano, além de crescer menos, os anéis serão menos pronunciados. Se isso não bastasse, os jabutis domésticos, por geralmente apresentarem um controle da temperatura do ambiente e da oferta de alimento, costumam apresentar um crescimento mais constante, sendo que o comprimento, bem como os anéis de crescimento, neste caso, dificilmente servirão para estimar os anos de vida. Agora fica fácil entender o porquê de ser tão difícil saber a idade de um jabuti se você não souber sua data de nascimento.

Falando novamente sobre temperatura, ela é adequada para o jabuti quando em torno de 21 a 33º Célsius. Se estiver dentro desses limites, estará tudo bem. Mas se estiver muito frio ou muito quente, o animal pode sofrer. Perceba que jabutis no inverno, por causa do frio, ficam menos ativos, tendem a comer menos e a conservar energia, por isso eles podem gostar de ficar escondidos um bom tempo. Este comportamento também costuma se repetir em jabutis mais velhos, independente do frio, calor ou da época do ano. Falarei mais sobre isso nos próximos artigos, mas já adianto que a melhor maneira de você assegurar que seu jabuti sempre viva em temperatura adequada em cativeiro é colocar uma lâmpada especial de aquecimento em um dos cantos do ambiente em que ele vive, pois assim ele pode escolher se aquecer (em baixo da lâmpada) ou se esfriar (longe da lâmpada).


Sexo

Os jabutis começam a alcançar a maturidade sexual quando estão com aproximadamente 15-20 cm de comprimento de casco ou cerca de 05-08 anos de idade. Mas a diferença entre macho e fêmea começa a ficar realmente evidente quando o jabuti atinge aproximadamente 18-20 cm. Antes disso, é muito difícil saber.

Nos machos, o plastrão (parte inferior do casco) é côncavo (voltado para dentro) e o rabo é mais longo e fino. Já nas fêmeas, o plastrão é plano ou bem pouco convexo e o rabo é mais curto e grosso. Outra diferença é que nos machos, a parte do plastrão que dá abertura para o rabo do animal tem um ângulo mais aberto (mais retilíneo), enquanto que nas fêmeas, o ângulo é mais fechado (mais curvado). Quando são muito pequenos ou muito novos, os machos ainda não apresentam as características típicas do sexo masculino, sendo comumente confundidos com fêmeas. Quando adulto, além das diferenças citadas, os machos de jabuti piranga são em geral maiores que as fêmeas.


(
(macho)

(fêmea)

Outra maneira de saber o sexo do jabuti é se por acaso ele exteriorizar o pênis. Se isso acontecer, está mais do que evidente que ele é macho.

(pênis do jabuti saindo de seu rabo)

Existe, ainda, um último método de saber o sexo do animal, que é através de um exame laboratorial. Mas ele é caro e comumente não oferecido na maioria das clínicas veterinárias.

Ainda, machos na época reprodutiva tentem a brigar bastante com outros machos. Algo comum na natureza, não é? Os machos brigam por dois motivos praticamente, um deles é por território e o outro pelas fêmeas. 


Comportamento alimentar

Os jabutis são iguais às pessoas em relação à alimentação, ou seja, tem gente que gosta de brócoli e gente que não. Como eu falei acima, cada animal tem uma personalidade, consequentemente terão gostos diferentes. Falarei mais sobre os alimentos corretos para oferecer para seu jabuti em um próximo artigo.


Curiosidades

Os jabutis não possuem ducto lacrimal, ou seja, a lágrima que eles produzem não é drenada do olho para o nariz, como em nós humanos. Sendo assim, este é o motivo de eles ficarem "chorando" o tempo todo. Ainda, você pode notar que quando eles bebem água eles podem assoprar esta água sugada pelo nariz no intuito de limpar as cavidades nasais.

Quando manipulados, quando entram na água, quando ficam de ponta cabeça ou em situações de perigo, os jabutis tendem a defecar. Até hoje não há um explicação clara do porquê de isso ocorrer, mas acredito ser para conseguirem livrar-se de peso para boiar, desvirar-se ou para conseguirem fugir. Ainda, ao defecar, eles aumentam o espaço para a troca gasosa no pulmão. Este pode ser também um fator que entra nesta equação.

Ao contrário de outras espécies de jabutis, os jabutis brasileiros não hibernam. Isso é uma grande vantagem, pois os cuidados em cativeiro com jabutis hibernam são bastante complexos.

(em construção: falar de anatomia/cavidade celomática)


Perigos

Atenção! Os jabutis podem ser portadores de salmonela e provocar salmonelose principalmente em crianças e pessoas imunocomprometidas. Por isso vale a pena você levar o jabuti em um veterinário para que ele realize exames parasitológicos no intuito de averiguar se eles são portadores desta bactéria. Recomendo até a realização de mais de um exame em períodos diferentes, pois a eliminação desta bactéria nas fezes pode ser intermitente.


Até a próxima!

27 de janeiro de 2010

Ter um Animal de Estimação

Ter um animal de estimação é algo único. Envolve uma mistura complexa de responsabilidade e afeto, que muitas vezes se torna tão grande que o animal deixa de ser uma simples criatura para se tornar parte da família.

Convivemos tanto com cães, principalmente, que já o consideramos "o melhor amigo do homem". Veja só, estes animais já estão tão enraizados em nossa cultura que até nós, seres humanos, já perdemos lugar para os cães no quesito amizade. 


Para você ter uma idéia do que eu estou falando, uma pesquisa de 2009 denominada Radar Pet e encomendada pela Comac (Comissão de Animais de Companhia) do Sidan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal) estimou que existe hoje, nas residências de pessoas das classes A, B e C no Brasil, uma população de 25 milhões de cães e 7 milhões de gatos (REFERÊNCIA). 
 

Essa pesquisa mostrou que 44% dos lares brasileiros possuem cão ou gato, sendo que o cachorro ainda é a preferência nacional ao estar presente em 79% dos lares brasileiros, enquanto apenas 10% possuem gatos e 11% possuem ambos. 


Todas essas informações apresentadas nos mostram com clareza que nós, seres humanos, temos um enorme interesse em ter animais de estimação. Até aí não há nada de errado, mas o que muita gente não sabe é que ter um animal dentro de casa significa também responsabilidades e custos, ou seja, ele precisa de tanto ou mais cuidados que uma pessoa.

Segundo a Radar Pet, em termos de prevenção, o brasileiro ainda cuida pouco dos animais de estimação, pois 79% das pessoas só levam seus animais ao veterinário quando estes apresentam algum problema. E este comportamento se repete em todas as classes sociais: 64% na classe A, 77% na classe B e 80% na classe C.

Por isso, antes de adquirir um animal de estimação, você deve ter me mente tudo o que isso implica. Ter um animal de estimação não é só deixá-lo em qualquer canto, com qualquer comida, sem mais nem menos. Ter um animal de estimação é ter a responsabilidade em promover o bem-estar do animal.

Para ajudar nessa tarefa, uma entidade chamada Farm Animal Welfare Council (FAWC), que tem como missão promover o bem-estar dos animais, desenvolveu o conceito das cinco liberdades, a qual foi adotada na legislação de inúmeros países. As cinco liberdades dizem que os animais têm o direito a viver:

1.      Livres de sede, fome ou má-nutrição, tendo acesso à água e aos alimentos apropriados;
2.      Livres de mal-estar ou incômodo, vivendo em um ambiente adequado;
3.      Livres de dor, ferimentos e doenças, mediante prevenção ou tratamento;
4.    Livres para expressar seu comportamento natural, através de espaços suficientes  e instalações adequadas;
5.      Livres de medo ou estresse, com condições que impeçam o sofrimento mental.

Esta lista é de grande utilidade para uma rápida identificação de situações que comprometem o bem-estar animal, isto é, qualquer situação que cause medo, dor, desconforto, ferimento, doença ou angústias comportamentais. Portanto, um bom dono deve ser capaz de oferecer ao seu animal de estimação no mínimo estas cinco liberdades.

Porém, para promover o bem-estar do animal e identificar algumas possíveis situações de mal-estar, o primeiro passo é conhecer pelo menos o mínimo necessário sobre o animal. Coisas como, por exemplo, a alimentação adequada, as características de um bom ambiente para o animal viver, os comportamentos típicos do animal, entre muitos outros itens.

Uma coisa importante de relembrar e reafirmar é que cada espécie de animal possui características únicas que requerem cuidados únicos. Melhor dizendo, não dá para você ter um jabuti e cuidar dele como se fosse um cachorro ou gato. Se o animal é diferente, você terá que cuidar dele de forma diferente, de acordo com as necessidades específicas que ele possui. Ainda, cada tipo de animal vai se interagir com um dono de um jeito. O cachorro, geralmente, quer a toda hora carinho e atenção. Já o jabuti, não! Ele é mais um animal de ser contemplado e geralmente não gosta de carinho ou que fique pegando ele a toda hora.

Desse modo, nos próximos artigos deste site, você irá renovar seus conhecimentos sobre animais de estimação, em especial sobre os cuidados necessários e particularidades que o jabuti piranga requer para ter uma boa vida ao seu lado. 

Até a próxima!

26 de janeiro de 2010

Terrários Vida de Jabuti



EM CONSTRUÇÃO




Desde a compra de Fuxico e Nüwa eu venho sempre tentado oferecer a melhor moradia possível para meus jabutis. Uma tarefa que pode não ser muito fácil se considerarmos que moro em um apartamento em Curitiba, onde faz muito frio.

Os jabutis piranga não são animais muito exigentes se comparados com os jabutis de outras espécies e até mesmo a outros répteis. De fato, são considerados uma das espécies de jabutis mais fáceis de se cuidar, além de serem muito dóceis e queridos.

Como já dito anteriormente neste blog, para poder oferecer uma boa moradia, que promoverá uma ótima qualidade de vida aos jabutis, o terrário deve ter o maior espaço possível que se pode oferecer, além de temperatura, umidade e um substrato (solo) adequados.

A maior dica é tentar imitar ao máximo o ambiente natural em que os jabutis vivem na natureza. 
 
Sendo assim:

1.0 - Segundo o livro South American Tortoises, 'Chelonoidis Carbonaria, C. Denticulata and C. Chilensis' (Chelonian Library 3) por Sabine Vinke, Holgren Vetter, Thomas Vinke e Susanne Vetter, o melhor do ramo, a legislação alemã exige que:
- para 1 ou 2 jabutis, o comprimento do terrário deve ser de no mínimo 8 vezes o comprimento da carapaça do animal (o maior dos dois), a largura do terrário deve ser de no mínimo 4 vezes comprimento da carapaça do animal. Em relação a altura, no mínimo  2 vezes o comprimento da carapaça do animal.
- para 3 ou 4 jabutis: aumenta-se os valores em 10% para cada animal a mais.
- para 5 em diante: aumenta-se 20 % para cada animal a mais.

Contudo, muitas vezes não é possível reproduzir o tamanho integral dos terrários em casa. Por isso, nessas situações o que vale é o bom senso, ou seja, ofereça o máximo que conseguir ao animal e certifique-se de que ele não está em sofrimento.

2.0 - A temperatura ideal para o jabuti piranga é de no mínimo 27C de dia e de 21C de noite, sendo que a fonte natural de calor deles é o sol. Contudo estudos mostraram que jabutis que vivem na região do equatorial preferem manter seu corpo a uma temperatura de 29-30C.

Se banhos de sol não forem possíveis, é necessário adquirir uma lâmpada normal de iluminação (UVA),  outra de emissão de raio ultravioleta B (UVB) para que realizem a conversão da vitamina D na pele e, por ultimo, outra com a finalidade de emissão de calor. 

Atente sempre para oferecer um gradiente de luminosidade e aquecimento no terrário para que seu jabuti escolha onde quer ficar, no escuro, no claro, no frio ou no quente. 

Ainda, luz e calor devem ser direcionadas na mesma área e posicionadas sempre no alto para melhor simular o sol e não incomodar o animal com luz diretamente nos olhos. O bom manter uma temperatura de 33C na área mais quente. 
Por ultimo, o fotoperíodo para o jabuti é de 12-14 horas, sendo que um timer o ajudará muito a manter um bom controle;

3.0 - A umidade deve ser alta para evitar desidratação e problemas respiratórios. Existem algumas maneiras de se manter a umidade em níveis mais altos, mas a mais fácil e acessível delas é sempre deixar uma parte do solo do terrário molhada. Assim a evaporação natural da água irá consequentemente aumentar a umidade do ambiente;

4.0 - O substrato é um item muito controverso entre os estudiosos. Eu sigo a recomendação de um artigo do Tortoise Trust Web e substrato que se aproxima mais do ideal é uma mistura de terra (considerando as mais argilosas) e areia na proporção 60/40 (três medidas de terra para uma de areia). Para melhorar mais ainda você pode misturar um pouco de material orgânico, como fibra de coco dessas que se compra em lojas de jardinagem, para que se assemelhe mais ao solo de florestas que são cobertas com folhas de árvores caídas e com bastante material orgânico misturado. 

Ainda, a camada de substrato deve ser de no mínimo 5 cm de altura e deve ser renovada com o tempo, evitando mau-cheiro e proliferação excessiva de bactérias.  

Também, evite solos muito lisos, pois eles forçam os membros do animal e, com o passar do tempo, à medida que o animal vai crescendo, podem levar à deformações sérias no esqueleto, podendo ser irreversíveis e levar à dor e dificuldade de locomoção. Nada bom para a saúde de seu animal.


Primeiro Terrário

Ao comprar meus jabutis eu não tinha ainda muitas informações para montar uma boa moradia para eles. Inicialmente eu pensei em construir um terrário de borracha que não fosse lisa para que os jabutis não escorregassem. 

Mas não foi uma idéia muito boa, pois, apesar de ser prático para limpar, este não é um ambiente que imita o habitat natural em que os jabutis vivem. Ainda, não é bom para promover a umidade necessária. Para construir este terrário eu gastei cerca de R$40,00.

Dimensões: 170cm x 120cm x 15cm.


Fuxico e Nüwa não ficaram muito tempo neste terrário, pois eu logo já providenciei outro projeto. O bom deste terrário foi que eles ficaram em quarentena e se por acaso eles tivessem algum tipo de doença, como vermes, eu iria ver na urina e fezes deles e assim poderia tratá-los. Ainda, lembrando que se seu jabuti tiver vermes e o subtrato for de terra, você terá que trocar a terra após tratá-los, pois os ovos dos vermes ficariam armazenados na terra e reinfectariam os jabutis.


Segundo Terrário

Este terrário ainda foi provisório, pois eu não estava satisfeito com o primeiro terrário e ainda estava pesquisando mais. Não gastei muito para fazer este terrário, ao total, com terra, areia e tudo, o gasto final ficou em torno de R$80,00. 

Minha idéia foi construir algo parecido com aquelas piscinas de 1000L de criança e deixo já a dica aqui. Para você que não tem muita habilidade de construir coisas, comprar um piscina destas de 1000L é uma boa idéia, pois custa em torno de R$90,00 (só a piscina). Mas lembre-se que será ainda necessário adicionar um substrato, já que a lona desta piscina é muito lisa para você manter um jabuti.

Dimensões: 170cm x 120cm x 40cm.


Neste terrário eu já tinha comprado um série de itens, como lâmpadas UVB e térmicas, além de vitaminas e suplemento de cálcio. Também, eu já comecei a plantar uma série de plantas para servirem a alimentação para eles no futuro: almeirão, agrião, brócoli, chicória, couve-manteiga, dente-de-leão, figueira-da-índia, mostarda, rabanete e rúcula.


Terceiro Terrário

Este é a obra de arte em terrário. Deu muito trabalho para construir e o gasto foi maior, mas como vocês verão nas fotos, tudo valeu muito a pena a agora é só relaxar junto com os jabutis.
Não tenho muito o que falar, as imagens dizem tudo.

Dimensões: 170cm x 120cm x 30cm.


Espero que com este post eu possa ter ajudado os donos de jabutis por este Brasil afora a oferecerem uma moradia melhor para seus queridos amigos cascudos.

Obrigado a todos!!